Painelistas discutem sobre violências e abusos da religião, através da utilização fé das pessoas.

Painelistas discutem sobre violências e abusos da religião, através da utilização fé das pessoas.  

Meu corpo, minha fé: violências e abusos da religião terá um segundo encontro. Agora é em Londrina, no Paraná!

Convidamos a todos a participarem desse encontro para darmos continuidade nesse tema tão urgente e necessário.

“Meu corpo, minha fé”. O que meu corpo tem a dizer sobre a fé? Como meu corpo sente essa espiritualidade? Como meu corpo é oprimido pela religiosidade patriarcal? O que é uma fé a partir do corpo?

Iremos contar com a presença de:

Selma Rosa – teóloga, mestre em educação, docente e pastora anglicana. Vanessa Carvalho de Mello – teóloga, mestre em psicologia social, pesquisadora sobre as questões de gênero, docente.

Larissa Ferraz de Barros – advogada criminalista, secretária da Comissão de Promoção de Igualdade Racial e das Minorias da OAB, membro da Frente Feminista de Londrina.

Sara Alexius – assistente social e teóloga

e Sueli Galhardi – gerente de proteção especial à mulher da Secretaria Municipal de Políticas para a Mulher / PML.

DIA 16 DE FEVEIRO, SÁBADO Na Rua Professor João Cândido, 344 – 4º andar. Londrina/PR. Edifício Tuparandi / Auditório da OAB

“Aconteceu em Londrina/PR, a Roda de Diálogo em torno do Tema: Meu Corpo, Minha Fé: violências e abusos da religião, organizada pelo Coletivo Evangélicas pela Igualdade de Gênero (EIG). A 1ª Roda de Diálogo ocorreu em São Paulo (02/02/19) promovida pela EIG em parceria com KOINONIA Presença Ecumênica e Rede Ecumênica da Juventude São Paulo. Somando esforços em prol dessa causa comum, tivemos como apoiadores, que nos ajudaram a tratar o tema com a seriedade que ele merece a: Secretaria Municipal de Políticas Para as Mulheres da Prefeitura Municipal de Londrina, OAB subseção Londrina, Caixa de Assistência dos Advogados do Paraná, Comissão de Promoção de Igualdade Racial e das Minorias da OAB além do coletivo EIG – São Paulo. 

Na condução da temática, contamos com: Sueli Galhardi – gerente de proteção especial à mulher da Secretaria Municipal de Políticas para a Mulher / PML; Larissa Ferraz de Barros – advogada criminalista, secretária da Comissão de Promoção de Igualdade Racial e das Minorias da OAB; Sara Alexius – assistente social e teóloga; Vanessa Carvalho de Mello – teóloga, mestre em psicologia social, pesquisadora sobre as questões de gênero, docente e Selma Rosa – teóloga, mestre em educação, docente e clériga anglicana. Cada uma – a partir da própria área de conhecimento, pesquisa, atuação e experiencia – apresentou breves e importantes informações e reflexões sobre o assunto proposto. Dentre os participantes da Roda de Diálogo estavam líderes de denominações religiosas e representantes de ongs e de outros coletivos.

No dia 26/02 haverá uma Oficina de Cartazes com os participantes do evento, tendo em vista a manifestação que ocorrerá no dia 8 de março/2019 Dia Internacional da Mulher.

A temática, sem dúvida, é densa, tensa e desafiadora. Assim, houve cuidado em abordá-la de forma ética, cristã, humana, sem ofensas ao sexo masculino, senão que, única e exclusivamente com a finalidade proposta: a violência em espaços religiosos. Entretanto, houve o mesmo cuidado em tratá-la de forma clara e conscientizadora, e isso por meio de dados estatísticos, leis, pesquisas, depoimentos, relatos de vida e uma perspectiva teológica e bíblica.

Verificamos que as violências e abusos da religião ocorrem não apenas de forma física mas também de forma emocional e espiritual. Na gênese desse terrível problema estão questões históricas, sociais, econômicas, políticas e, infelizmente e com grande força, questões religiosas.  Os espaços sagrados, que deveriam ser lugares de reconstrução de vidas, muitas vezes tornam-se motivo de dores e sofrimentos, gerando patologias e morte.

A partir de tudo que se ouviu no evento, é pertinente o alerta: Estejamos atentos e atentas: abusos e violências religiosas são cometidas por líderes (de ambos os sexos) quando esses violam os corpos de outros e de outras, e também quando oprimem, constrangem, desqualificam, calam seus pares. Práticas assim deformam as relações humanas e comunitárias.  Essas situações não podem ocorrer pois são exercícios distorcidos do poder religioso”.

Que Deus esteja sobre nós, dando-nos a cada dia a clareza necessária sobre nosso papel e as condições necessárias para executá-lo.

Em Cristo!

Meu Corpo Minha Fé /EIG Londrina E-mail meucorpominhafe.londrina@gmail.com

Inédito todas as escolas poderão fazer parte do Livro Pazeando 2019 !

TEMA: “Nossa Proposta para Pazearmos na Comunidade Escolar”
             (Práticas e Justiça Restaurativa /ODS 16)

Significado do verbo Pazear: Estabelecer paz ou harmonia

VEJA REGULAMENTO http://londrinapazeando.org.br/17-coletanea-livro-pazeando-2019/

       Seguindo os ODS – Objetivos de Desenvolvimento Sustentável do Milênio propostos pela ONU (Organização das Nações Unidas), a publicação do Livro Londrina Pazeando tem como objetivo provocar reflexões sobre a importância da Construção de uma Cultura de Paz e promover ações que possam contribuir para o estabelecimento da não-violência na sociedade, construindo assim, uma nova geração de cidadãos pacifistas.

          O livro composto por uma coletânea de textos e desenhos é sistematizado anualmente e contempla alunos da Educação Básica da rede pública municipal e estadual e da rede privada de ensino, bem como, professores e pais ou responsáveis pelos educandos.

           Pautados nos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável 2015-2032 e na Lei Municipal nº 12.467, de 6 de dezembro de 2016, que cria o Programa Municipal de Práticas Restaurativas no município de Londrina, no ano de 2019 trabalharemos com o tema: “Nossa Proposta para Pazearmos na Comunidade Escolar” (Práticas e Justiça Restaurativa).


INÉDITO TODAS AS ESCOLAS PODRÃO FAZER PARTE
DO LIVRO PAZEANDO 2019
(livro em 2 modalidades, modalidades)

LIVRO PAZEANDO VIRTUAL (todas escolas inscritas)

LIVRO PAZEANDO IMPRESSO (selecionadas)

Cantigas de Rodas ou Cantigas de Valor?

São milênios de construção de uma Cultura de Violência, e de um currículo oculto, que educa para esta cultura de violência.

FONTE SITE Catigas de Valor:

Ao Longo de séculos, o universo folclórico das lendas e contos infantis e cantigas de roda tem camuflado em meio ao “lúdico” uma sutil inversão de valores, a ponto de que uma certa “Teresinha de Jesus” desprezar a ajuda da sua família e se entrega a “um qualquer” lamentando em seguida, a frustração e o “sangue derramado” em seu coração. O que dizer das declarações impiedosas “da cuca” e do “boi da cara preta” que vai pegar o menino se ele não dormir depressa, como se o medo fosse um sonífero?   LEIA MAIS NO SITE do Professor Isaque Folha (clique aqui)

Capa do site Cantigas de Valor

Associação Brasileira Espírita de Direitos Humanos e Cultura de Paz – AbrePaz

Nota Pública  #espiritasafavordodesarmamento

A favor do desarmamento da população brasileira

Sobre o decreto nº 5.123/2004, alterado por iniciativa da Presidência da República, e a decisão de facilitar o acesso e ampliar a posse de armas no Brasil.

A Associação Brasileira Espírita de Direitos Humanos e Cultura de Paz (AbrePaz), com apoio das seguintes associações:

ABPE, AEPHUS, Coletivo de Espíritas pelos Direitos Humanos,  CEJUS e Coletivo Girassóis: Espíritas pelo Bem Comum.

E em conformidade com a Declaração Universal dos Direitos Humanos,

1. considera o direito à vida e à segurança pessoal como direitos básicos do ser humano;

2. compreende o direito à propriedade e que a família tem direito à proteção da sociedade e do Estado;

3. rejeita a violência sob todas as suas formas.

Portanto,

4. discorda da política de facilitar o acesso e ampliar a posse de armas para a população em geral como estratégia para suprir a necessidade de segurança e combater a violência;

5. considera mais eficientes, eficazes, civilizadas e modernas outras estratégias para promover a segurança pública e diminuir os índices de violência por armas de fogo, tais como:

a. educação pública de qualidade, da creche à universidade,

b. educação para uma cultura de paz e não-violência,

c. geração de emprego,

d. política de renda mínima,

e. salários dignos, para ativos, aposentados e pensionistas, que assegurem dignidade, saúde e bem-estar,

f. política de valorização real do salário-mínimo,

g. política pública de habitação, saúde e seguridade-social ,

h. valorização das carreiras de policiais e professores (treinamentos, salários, condições de trabalho), como a melhor forma de atuar no cenário presente e concomitantemente preparar o cenário futuro;

i. policiamento eficaz, investimentos em políticas públicas de segurança (prevenção e combate);

j. mudança de paradigma na relação polícia e cidadão, com interações não-violentas e mais humanizadas, bem como desarmadas, visando promover o bem-estar e a segurança da sociedade, ao invés de uma abordagem violenta que cause medo, insegurança e humilhação, sobretudo com as populações mais vulneráveis;

6. lembra que o Brasil já é um dos países com maior número de mortes por arma de fogo em cenários de grande violência social, de gênero, doméstica; e que a posse da arma não resolve o problema, mas antes, o agrava. A cada 15 minutos uma pessoa é vítima de arma de fogo no Brasil. Ter uma arma em casa é como ter uma serpente no lar. Onde o consumo de bebidas alcoólicas é permitido (droga lícita), a sua combinação com uma arma em casa é previsão de muitas tragédias, uma vez que grande parte dos homicídios por arma de fogo acontece entre pessoas conhecidas, em razão de briga ou desentendimento, em ambiente doméstico e que, por um impulso, o conflito se torna fatal;

7. alerta para o aumento do número de suicídios, homicídios e feminicídios. Quando se tem arma em casa, a probabilidade de que ela seja usada nestes casos, aumenta muito, em condições muito mais letais;

8. considera que a adoção de uma política armamentista é estimular a Cultura da Violência, assumir o fracasso civilizatório, fazer acreditar que o melhor remédio contra a violência é a própria violência;

9. considera que o direito a defender o patrimônio não dá direito a matar, mas deve ser feito dentro dos processos legais e civilizados;

10. ressalta que os policiais nos recomendam que não devemos reagir diante de um assalto e que pesquisas mostram que 7 em cada 10 pessoas que reagem armadas tomam um tiro;

11. alerta que boa parte das armas irão, em algum momento, alimentar o mercado ilegal de armas, utilizado por criminosos, seja por roubo, extravio ou outros procedimentos, o que gera uma

expectativa de aumentar os casos de violência;

12. e recomenda que as armas sejam de posse e porte exclusivos dos agentes públicos de segurança ou em situações específicas que justifiquem esta medida, segundo análise da justiça competente.

Por isso a AbrePaz é a favor do desarmamento da população brasileira, repudiando o decreto supracitado, e incentiva estratégias e soluções baseadas na cultura de paz e não-violência.

Goiânia-GO, 22 de janeiro de 2019

Associação Brasileira Espírita de Direitos Humanos e Cultura de Paz – AbrePaz – Diretoria Executiva

Subscrevem também esta nota:

Associação Brasileira de Pedagogia Espírita (ABPE);

Associação Espírita de Pesquisas em Ciências Humanas e Sociais (Aephus);

Coletivo Espiritismo e Direitos Humanos;

Coletivo de Estudos Espiritismo e Justiça Social (CEJUS);

Coletivo Girassóis: Espíritas pelo Bem Comum;

MovPaz – Movimento Internacional pela Paz e Não-violência.

VEJA O APELO DE HAIA PELA PAZ (clique aqui)

Conferência O Apelo de Haia pela Paz em 15/maio/1990 ONU, fez um documento com 31 itens …VEJA ITEM 11

11. Estimular a Participação das Religiões do Mundo na Transformação da Cultura de Violência em uma Cultura de Paz e Justiça. Religiões têm sido a causa de guerras, mas também tem o potencial para viabilizar o desenvolvimento de uma cultura de paz. É preciso fazê-las participar na implementação de caminhos para a paz. O Apelo de Haia pela Paz apoia:

– A cooperação entre religiões e crenças pelo DESARMAMENTO e no trabalho pela paz mundial.

– A promoção da coexistência e da reconciliação entre religiões.

O Conselho Municipal de Cultura de Paz de Londrina realizou visita a Comunidade Rural Conecte Plante, que visa produzir alimentos sem agrotóxicos e orgânicos. ELES ENTREGAM EM CASA (de moto).

Visita ao Conecte Plante em Londrina

Tomamos Café da Manhã no Campo,
Fizemos Reunião Semanal do Conselho e
Visitamos “in loco” a chácara.
Em seguida estou sobre Nutrição.
Produção de Orgânicos, Nutrição e Cultura de Paz.
Os perigos dos alimentos industrializados • Luciana Ayer
https://www.youtube.com/watch?v=mr9H9Ut1YGc&t=3372s&index=4&list=PLvMYyoJU15dQuWYiY-xbCbRi-2ocYu1IB

SAIBA MAIS DO CONECTE PLANTE
www.instagram.com/conectemaker/
www.instagram.com/conecteplante/
www.conecteplante.com.br/
facebook.com/ConectePlante


Neste sábado 26 de janeiro membros do GDI Grupo de Diálogo Religioso de Londrina, participaram de um Debate sobre a Tolerância e Intolerância Religiosa. Estavam presentes Luis Claudio Galhardi do COMPAZ Conselho Municipal de Cultura de Paz de Londrina e Gestor da OSC Londrina Pazeando, Daniel Fermino da Silva da Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias ( Mórmons) o Pastor Anastassios Papadopoulos Papazoglou da Igreja Adventistas do 7º Dia o Prof. Robson Borges Arantes Candomblé – Associação de Ogans de Londrina, acompanhado Maria Aparecida Prandine Pereira ( presidente do COMPAZ) e mediados pelo jornalista Bruno Carraro.

Mahatma Gandhi disse certa vez: “Para mim as diferentes Religiões são lindas flores provenientes do mesmo jardim. Ou são ramos da mesma arvore majestosa. Portanto, são todas verdadeiras”

LINK DA RADIO CBN COM ÁUDIO https://cbnlondrina.com.br/cbn-debate/combate-a-intolerancia-religiosa

O Grupo se reúne a cada 2 meses, SEMPRE NAS TERCEIRAS TERÇAS-FEIRAS DOS MESES PARES. No dia 19 de fevereiro de 2019, às 19 horas, será a primeira reunião do ano.

Desde o início dos encontros em Londrina, tiveram presentes as reuniões os líderes e ou participantes das seguintes instituições e religiões da cidade:

  1. Associação Médica de Londrina
  2. Prefeitura Municipal de Londrina
  3. COMPAZ -Conselho Mun. de Cultura de Paz de Londrina
  4. ONG Londrina Pazeando / COMPAZ
  5. ISLAMISMO
  6. Conselho de Pastores (Luterana)
  7. Conselho de Pastores Evangélicos de Londrina
  8. Comunidade Evangélica Cidade de Refúgio 
  9. Igreja Pentecostal Deus é Amor
  10. Igreja Universal do Reino de Deus
  11. Igreja Católica – Arquidiocese de Londrina
  12. Igreja Presbiteriana Independente de Londrina
  13. FEP Federação Espírita do Paraná – URE 16ª região
  14. MEL Movimento Ecumênico de Londrina
  15. Umbanda de Londrina
  16. Candomblé – Associação de Ogans de Londrina
  17. Umbanda – Ilê Axê Estrela Guia
  18. Igreja Messiânica
  19. Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias
  20. Igreja Adventistas do 7º Dia
  21. Associação Brasil SGI – Budismo
  22. Budismo – HBS
  23. Budismo – Comunidade Zen Londrina
  24. FÉ BAHA’I Assembleia Espiritual dos Baha’is
  25. Seicho No Iê
  26. Sukyo Mahikari
  27. Igreja Episcopal Anglicana
  28. Comunidade 12 Tribos
  29. Congregação Cristã do Brasil
  30. Grupo de Estudantes de Cultura Racional
  31. Igreja Assembleia de Deus de Londrina
  32. Movimento dos Focolares
  33. Congregação Israelita de Londrina

Acontecerá em vinte e um de janeiro de 2019 é o “Dia Nacional de Combate à Intolerância Religiosa”, proposta pelo Ministério da Justiça e Cidadania – Secretaria Especial de Políticas de Promoção de Igualdade Racial.

Em Londrina 1- o COMPAZ Conselho Municipal de Cultura de Paz 2- o GDI Londrina Grupo de Dialogo Inter Religioso de Londrina vão promover o evento 4ª Londrina Religiões Unidas pela Paz e em Prol da Tolerância Religiosa.

Evento na Concha Acústica de Londrina

DATA: 19 de janeiro de 2019 SÁBADO (celebraremos antes/sábado)HORA: das 08:00 às 10h LOCAL: Concha Acústica de Londrina/centro**caso  chova faremos no dia 26/janeiro/2019 sábado seguinte

Documentário total do Evento

VEJA COMO FOI EM JANEIRO DE 2015 >>> https://www.youtube.com/watch?v=z1iNrnebo20

VEJA COMO FOI EM JANEIRO DE 2017 >>> https://www.youtube.com/watch?v=mdgmOAobIH4&t=8s

VEJA COMO FOI EM JANEIRO DE 2018 >>> https://www.youtube.com/watch?v=r_nn4L4If2U&t=83s

Reportagem da Rede Massa em 2018 https://www.youtube.com/watch?v=4djfblPB-a4&t=4s

*Cada representante de Religião falará de 3 a 5 minutos sobre a Paz e a Tolerância Religiosa.
Pedimos a todos as lideranças que convidem seus membros. Vamos lotar os bancos em frente a Concha, unidos em prol da Paz. Favor confirmar presença (representante que falará no dia) e uma estimativa de seus membros que poderão participar do evento.

ENVIAR e-mail para:

COMISSÃO ORGANIZADORA:

  • Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias – Daniel Fermino da Silva e Oilson Nassar Ribas – danielfermino@gmail.com   fones: 99152-6578
  • ONG Pazeando/COMPAZ – Luis Claudio Galhardi – paz@londrinapazeando.org.br  99996-1283 tim 99144-5276 vivo
  • Igreja Adventistas do 7º Dia – Pastor Anastassios Papadopoulos Papazoglou – aappapazoglou@hotmail.com– fone: 99134-5445

EVENTO NO FACE EM  GDI 
https://www.facebook.com/pg/gdi.londrina/events/?ref=page_internal

EVENTO:
 https://www.facebook.com/events/285608348751067/

FONTE: Site daPrefeitura Municipal de Londrina

http://www.londrina.pr.gov.br/index.php?option=com_content&view=article&id=31473:concha-acustica-recebe-evento-em-prol-da-paz-e-da-tolerancia-religiosa&catid=84:cidadania&Itemid=971

FONTE: FOLHA DE LONDRINA
https://www.folhadelondrina.com.br/cidades/liderancas-religiosas-se-apresentam-na-concha-acustica-1024783.html

FONTE TV REDE MASSA
Reportagem 01 https://www.youtube.com/watch?v=jY2N1mw34C8&t=18s
Reportagem 02 https://www.youtube.com/watch?v=kNecnJYBgmw



Pazeando foi convidado pelo CAPC Centro de Amor ao Paciente com Câncer de evento no Iate Clube

Projeto Caremama oferecerá aulas de remo para pessoas com câncer em Londrina

FONTE: Redação Paiquerê https://www.paiquere.com.br/projeto-caremama-oferecera-aulas-de-remo-para-pessoas-com-cancer-em-londrina/

O Caremama em Londrina, em parceria com o Remama em São Paulo e o Canomama em Brasília, lançará, no próximo domingo (16), o projeto Caremama. Esse projeto tem como objetivo oferecer aulas de remo para reabilitação de pacientes em tratamento de câncer. Os treinos serão realizados três vezes por semana na Raia do Iate Clube de Londrina.

Evento: Lançamento Projeto Caremama
Data: 16/12/2018
Local: Iate Clube de Londrina

Programação:

8h30: Início das atividades com apresentações de remadores olímpicos e paraolímpicos, musicais, danças, arco e flecha, artesanato, shows de palhaços e malabares, brincadeiras para crianças e palestras.

9h30: Abertura oficial com o hino nacional tocado pela Orquestra Londrinense de Viola Caipira, homenagem feita pela Orquestra de Viola Flor do Campo e apresentação musical do grupo Pequenos Sertanejos sob a regência do maestro Edson Murari Lima.

10h30: Apresentação no Lago Igapó com o Barco Catamarã com 4 mulheres sob a coordenação do treinador Gerson Moreira de Souza.

Pazeando é convidado pela Associação do Cj. Milton Gaveti, para receber Papai Noel.

Parceiro nos eventos de Destruição de Armas de Brinquedos e dos Abraço no Lago Norte pela Paz, o Tio Paulão, bombeiro, e presidente da Associação de Moradores do Cj Milton Gaveti e seus parceiros, Sorvete Sávio, Rádio Jovem Pan, Refrico, RICTV na Rua. O Papai Noel chegou no carro da Policia Militar e escoltado pelo caminhão de bombeiro, e trouxe muito amor e presentes para as crianças que aguardavam ansiosas a chegado do bom velhinho.

Fórum apresenta Manual de Indicadores 2018

Conselheiros do COMPAZ Conselho Municipal de Cultura de Paz participaram do evento nesta quinta-feira (13/dez).

Fórum apresenta Manual de Indicadores 2018

Conselheiros do COMPAZ Conselho Municipal de Cultura de Paz participaram do evento nesta quinta-feira (13/dez).

O Fórum Desenvolve Londrina realiza nesta quinta-feira (13), às 8 horas, na sede da Associação Médica de Londrina (avenida Henry Prochet) a apresentação da 13ª edição do Manual de Indicadores de Desenvolvimento de Londrina 2018, um raio X que demonstra a realidade socioeconômica-cultural do município através da obtenção de dados relacionados à educação, saúde, meio ambiente, segurança, cultura, tecnologia e economia. E ainda da 7ª edição da Pesquisa de Percepção da População sobre a Cidade de Londrina  (INDICADOES) https://www.youtube.com/watch?v=gMJocyfVYK4&t=3s

O evento, aberto ao público, reúne autoridades municipais, lideranças e formadores de opinião. Os estudos anuais realizados pelo Fórum Desenvolve Londrina são definidos com base nos indicadores de desenvolvimento da cidade.

FONTE: http://www.forumdesenvolvelondrina.org/noticia/forum-apresenta-manual-de-indicadores-2018

O Fórum Desenvolve Londrina realiza nesta quinta-feira (13), às 8 horas, na sede da Associação Médica de Londrina (avenida Henry Prochet) a apresentação da 13ª edição do Manual de Indicadores de Desenvolvimento de Londrina 2018, um raio X que demonstra a realidade socioeconômica-cultural do município através da obtenção de dados relacionados à educação, saúde, meio ambiente, segurança, cultura, tecnologia e economia. E ainda da 7ª edição da Pesquisa de Percepção da População sobre a Cidade de Londrina  (INDICADOES) https://www.youtube.com/watch?v=gMJocyfVYK4&t=3s

O evento, aberto ao público, reúne autoridades municipais, lideranças e formadores de opinião. Os estudos anuais realizados pelo Fórum Desenvolve Londrina são definidos com base nos indicadores de desenvolvimento da cidade.

FONTE: http://www.forumdesenvolvelondrina.org/noticia/forum-apresenta-manual-de-indicadores-2018